Conheçam quais são os suplementos de proteínas essenciais para os atletas

Um corpo perfeito necessita de muito mais que exercícios físicos para ser moldado. Qualquer pessoa envolvida com o universo de academia sabe disso.

Portanto, não é raro que os professores e donos de negócios fitness sejam questionados sobre a importância de uma alimentação correta e dos suplementos de proteína para atletas que precisam de performance para campeonatos como Open e Games, temos uma Consultoria para treinos com o Head Coach Nelsinho.

Consultoria de Treinos Online

A melhor forma de orientar os seus alunos sobre os reais benefícios dessas substâncias na evolução muscular é se manter atualizado e saber detalhadamente qual a função de cada uma delas no organismo.

Por isso, nós vamos falar hoje sobre as proteínas mais utilizadas por atletas que fazem condicionamento físico e treinamento de força.

Mas antes de detalharmos quais os suplementos que não podem ficar de fora da rotina de um atleta de treinamento funcional, precisamos falar sobre o papel da proteína no corpo.

Afinal, apesar de construir músculos ser uma tarefa que precisa de determinação e paciência, uma alimentação rica em proteínas ajuda muito.

Receba uma semana gratuita de Receitas Diárias.

O papel da proteína na alimentação dos atletas

A proteína é um composto orgânico com grande importância no organismo humano, pois é responsável pela formação da pele, do cabelo, dos órgãos e dos músculos do corpo.

Por isso, quem pratica exercícios para hipertrofia precisa ingerir uma quantidade mínima de proteínas para ajudar na formação da massa muscular.

Isso é necessário, porque, quando nos exercitamos, os músculos sofrem microlesões, que precisam ser reparadas. Assim, as proteínas proporcionam a renovação de membranas e tecidos musculares, gerando aumento daquilo que chamamos de “massa magra”.

Apesar de todas as pessoas necessitarem desse nutriente, os atletas e indivíduos fisicamente ativos devem ingerir uma quantidade maior, devido à necessidade de reposição de tecido muscular. Por isso, precisam ficar ainda mais atentos à alimentação.

As fontes mais comuns de proteína são carnes, peixes, frangos e a clara do ovo. Para os atletas, as melhores opções costumam ser as mais magras, que garantem uma alimentação pobre nas chamadas “gorduras ruins”, que atrapalham a definição muscular e causam colesterol alto, problemas cardíacos e uma série de doenças que não combinam com o estilo de vida saudável.

Mesmo assim, dependendo da necessidade do atleta, ele pode apresentar dificuldade em ingerir a quantidade de proteína necessária para o desenvolvimento dos seus músculos.

É nesse cenário que entram os suplementos proteicos, utilizados antes e após os treinos para melhorar a performance e os resultados obtidos.

Wheyprotein, uma proteína famosa nas academias

A proteína mais conhecida do mercado é obtida por meio do soro do leite e costuma ser vendida em pó ou em barras e tem três tipos: hidrolisada, isolada e concentrada.

Cada uma dessas categorias é indicada para objetivos diferentes na musculação e nos exercícios. Por isso, a escolha deve ser feita de maneira consciente.

A seguir, conheça mais sobre as características de cada produto:

Wheyprotein concentrada

Tipo com menor processamento, é considerado o mais simples dos três. Possui uma boa quantidade de proteína, mas seu conteúdo é misturado com carboidratos, devendo ser ingerido por atletas que necessitam ganhar peso. Costuma ter sabor melhor que as outras duas opções.

Wheyprotein isolada

É a forma mais pura da proteína. Não contém carboidratos nem lipídios. Costuma ser usada por atletas e pessoas intolerantes à lactose, já que não possui essa substância. Porém, vale observar se há adição de açúcar ou flavorizante, pois eles podem afetar a pureza do produto.

Wheyprotein hidrolisada

Esse tipo de proteína é a de mais rápida absorção, já que ela é pré-quebrada em aminoácidos, facilitando a digestão (hidrólise). Algumas marcas incrementam a mistura com enzimas proteolíticas, que facilitam ainda mais a absorção dos nutrientes contidos na bebida.

O principal benefício do uso de whey protein na alimentação de um atleta de treinamento de força e condicionamento físico é o ganho de massa muscular. Quanto maior a quantidade de músculos que a pessoa tem, mais rápido ela “seca” a gordura do corpo.

A forma de ingestão desse suplemento depende das necessidades de cada um, mas, geralmente, o consumo é feito após o treinamento funcional. Assim, garante-se que o corpo receberá a sua dose de proteína dentro da janela metabólica necessária para que haja o aumento da massa muscular.

Após a febre fitness que tomou conta das redes sociais, muitas pessoas sem conhecimento sobre esse universo começaram a achar que a whey protein emagrece.

É claro que isso não é verdade, e cabe aos funcionários de centros de treinamento sérios e compromissados esclarecer essa visão ao público que começa a praticar treinos funcionais.

A whey protein e todos os outros suplementos de proteína ajudam a pessoa a ganhar massa magra, o que, em longo prazo, colabora para a perda de gordura e definição corporal.

Porém, para isso, é necessário que o aluno ou atleta se alimente bem e pratique exercícios regularmente.

Quem usa suplementos sem esse conhecimento está desperdiçando dinheiro e pode engordar. Além disso, quando ingeridos em quantidades erradas ou quando substituem refeições importantes com frequência, os suplementos também podem ocasionar problemas de saúde.

Beef protein, um suplemento poderoso

Geralmente utilizado por atletas de CrossFit, numa dieta a base de proteína como carnes, peixes, frangos e ovos. Semelhante à whey protein, as proteínas do tipo beef surgiram para revolucionar os resultados dos atletas de treinos funcionais.

Elas possuem todos os benefícios dos suplementos mais antigos, mas com absorção mais rápida e uma enorme quantidade proteica para suprir qualquer demanda corporal.

Com a utilização do suplemento de beef protein, o atleta consegue uma fonte dos nove aminoácidos essenciais para o corpo sem ingerir as enormes quantidades de colesterol e gordura que um bife frito possui.

Quando pensamos que o corpo consegue absorver 80% dos aminoácidos encontrados nesse tipo de carne, não é difícil entender por que o suplemento está fazendo tanto sucesso.

Além disso, quando comparado à proteína de tipo whey e a outras fontes de aminoácidos, ele apresenta um benefício inestimável: a grande quantidade de nutrientes da carne que são preservados no formato em pó.

Vitaminas, minerais e oxidantes, como o ferro e o zinco, são absorvidos rapidamente pelo corpo, melhorando a saúde e os resultados do treinamento e da definição muscular.

Outra vantagem bastante desejada por atletas é a ausência garantida de lactose, essencial para pessoas que sofrem com alergia ou intolerância severa à proteína.

A beef protein também é a única que pode ser utilizada por atletas que adotam a dieta paleo, que costuma ser combinada com o treinamento funcional para maximizar os resultados no corpo.

Assim como a whey, a beef protein é encontrada nas formas isolada e hidrolisada. A ingestão também costuma ocorrer no pós-treino, e ela pode ser consumida por pessoas que fazem grande nível de exercícios físicos e desejam acelerar a recuperação muscular, a nutrição e o ganho de massa magra.

Albumina, uma opção suplementar acessível

A clara de ovo é um dos alimentos mais ricos em proteína. Por isso, não é de se estranhar que haja um suplemento para ajudar na ingestão de grandes quantidades da albumina, muito presente nesse alimento.

O alto valor biológico, a digestão média e o valor acessível tornam a albumina um dos suplementos mais utilizados pelos atletas de treinamento de força e condicionamento físico.

Embora o suplemento de albumina seja feito a partir da clara do ovo, ela apresenta uma boa vantagem em relação a esse alimento: tem 0% de gordura.

Ela também é composta por arginina e aminoácidos de cadeia ramificada. Entre os seus benefícios ao corpo, podemos citar a ajuda no transporte de hormônios pela corrente sanguínea.

A digestão de albumina é um pouco mais lenta do que a de whey protein, mas isso ajuda na disponibilidade de proteína para o corpo do atleta, que continua com o metabolismo alto mesmo horas após o treino.

De modo geral, a albumina costuma ser ingerida pela manhã e à noite, como parte do café da manhã e da ceia, e também serve para lanches intermediários ao longo do dia.

Como costuma ter um valor bastante acessível, a albumina pode ser consumida mais de uma vez ao dia sem impactar tanto no bolso do atleta.

Proteína de soja, um universo pouco explorado

Embora tenha um alto valor biológico, somente os atletas mais bem informados reconhecem a necessidade de utilizar a proteína da soja em sua alimentação diária.

Isso acontece devido a um preconceito com as proteínas vegetais, já que muitos acreditam que os alimentos mais ricos em proteínas costumam fazer parte do mundo animal.

Porém, na verdade, a soja tem mais proteínas que qualquer uma das versões animais.

Esse suplemento possui um alto valor de aminoácidos, mas tem uma digestibilidade reduzida, o que pode prejudicar a sua absorção pelo organismo. Isso acontece, porque a soja tem uma quantidade enorme de fibras, o que acaba colaborando para a regulação intestinal.

Além de ser uma boa fonte de proteínas para atletas vegetarianos, que não consomem suplementos que tenham origem em qualquer produto animal, a proteína da soja também é ótima para a culinária, podendo ser usada em receitas fitness, ricas em proteína e com baixa concentração de gordura.

Quem utiliza a proteína da soja como única fonte de suplementação deve tomá-la na janela metabólica do pós-treino para, assim, incentivar a recuperação muscular.

Já quem é adepto das demais opções, mais rápidas e eficientes, pode utilizá-la para alternar ou combinar com a albumina e também para os lanches rápidos durante o dia.

Alguns atletas de treino funcional podem se preocupar com os hormônios contidos na soja, que, teoricamente, atrapalham a formação de testosterona.

Avise aos seus alunos para não se preocuparem, pois isso não passa de um mito. A quantidade de isoflavonas, substâncias similares ao estrogênio, presentes no alimento não perturba a produção hormonal do corpo.

Caseína, uma alternativa para períodos de jejum

Um atleta participante de um programa de condicionamento físico certamente precisa de bastante descanso.

No entanto, o corpo se aproveitará dos momentos de sono para se recuperar e criar músculos. Por isso, é natural que ele precise estar bem abastecido de proteínas nesse momento.

E é exatamente para suprir o corpo de nutrientes no período do sono que esse suplemento é utilizado.

Feito a partir do leite, assim como a whey protein, a caseína possui aminoácidos de cadeias bem longas, resultando em uma digestão mais lenta, que leva cerca de seis horas para metabolizar a substância por completo.

O que seria um problema para suprir proteínas no pós-treino é exatamente o que um atleta precisa sempre que sabe que ficará por muitas horas sem se alimentar.

Por isso, é normal que esse suplemento seja utilizado à noite, mas ele também pode ajudar em qualquer situação de jejum (para realizar exames de sangue, por exemplo).

Os principais benefícios da caseína são a recuperação muscular, o aumento na massa magra e a disponibilização de aminoácidos por igual na corrente sanguínea durante o tempo de absorção da dose.

Apesar de ser comumente usado nos períodos de jejum, esse suplemento também pode ser combinado com a whey protein ou a beef protein após o treino, já que essa mistura também traz resultados satisfatórios.

A quantidade certa de proteínas por dia

Os suplementos de proteínas são uma parte muito importante da alimentação de seus alunos, mas não permita que eles consumam essas substâncias em excesso, já que isso é desperdiçar dinheiro: sabemos que a proteína que não é absorvida pelo corpo sai na urina.

A quantidade exata desses aminoácidos para cada um de seus alunos varia com relação ao peso. Geralmente, está entre 0,5 e 0,8 g/kg. Por isso, para suprir todas as necessidades que eles possam ter, basta multiplicar o número do peso em quilos por 0,8.

Como exemplo, se o aluno tem 90 kg, o resultado são 72 g de proteínas por dia. Nessa quantia, deve ser incluída a alimentação normal e os suplementos, que podem ser combinados da maneira que for mais adequada à rotina do atleta.

A importância de prevenir o catabolismo

O corpo de um atleta, seja ele de esportes ou de condicionamento físico e treino de força, precisa ser constantemente abastecido de proteínas.

Quando isso não acontece, começa o catabolismo, que é a quebra das fibras musculares ou perda de massa magra. E para evitar que isso aconteça, o consumo de suplementos precisa ser constante.

Não adianta um atleta tomar beef protein pós-treino durante um mês para ganhar massa muscular e, então, abandonar o suplemento após acabar o pote, pois a disponibilidade menor de proteínas comprometerá a sua evolução.

Por isso, antes de escolher como os suplementos serão utilizados na alimentação, peça para os seus alunos considerarem a compra recorrente e sempre garantirem a reposição antes que o pote acabe — você pode até mesmo orientá-los a fazer uma assinatura para receber os suplementos.

Livro Instagram Fitness

Assim, há garantias de que o aluno esteja em constante evolução, fazendo a sua construção muscular com a devida combinação de esportes fitness de alta performance e suplementos de proteínas para atletas que fazem toda a diferença.

Quais suplementos de proteínas fazem parte da rotina fitness de seus alunos? Como eles preferem tomá-los? Conte para a gente nos comentários!

Dicionário de Treinos Gratuito!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *